20 de fev de 2010

Ao som dos Beatles

Engraçado que eu vou começar esse post, depois de tanto tempo sem escrever, ouvindo uma música que me lembra coisas que eu nem sei se vivi. Conheci Beatles há.. uma semana. Em uma semana minha vida já mudou tanto que eu precisei parar pra ver que faz tão pouco tempo.. Agora sinto cólica e uma vontade enorme de ficar na cama sem fazer nada. Mas eu sei que amanhã será diferente.. Não, amanhã ainda é domingo. Digo, o futuro.
Onde eu estive nesse tempo? Por alguns meses, saí da minha realidade e do meu ambiente de conforto pra descobrir coisas que eu não imaginava existirem.. e pra descobrir, mais ainda, que meu ambiente de conforto não é um só. Mais do que eu imaginava, me senti confortável em ambientes diversos e diferentes de tudo que eu havia conhecido. Isso talvez não tenha me surpreendido, porque não me recordo de ter passado segundo sequer assustada pelo que eu via. Aliás, o que me surpreendeu foi exatamente o fato de ver que eu não me sentia estranha, e sim melhor. Mais viva, mais estimulada. Não digo do trabalho.. o tempo em que eu passei trabalhando foi um desafio. Mas ainda assim um desafio que eu considero bem sucedido. Percebi que você pode sempre achar que sabe de muita coisa, mas que em cada contexto que você se insere, você se vê sabendo menos do que o anterior. E que é suficiente mudar de contexto pra aprender o que você tinha esquecido e achado que já sabia.. Eu sabia de muita coisa, depois vi que nem todo tipo de conhecimento e experiência eram universais, e que é melhor estar sempre aberto ao fato de aprender e poder estar enganado. Porque o que uma hora me parecia certo, depois me pareceu completamente antiquado e imaturo.
E não foi somente uma vez ou em uma situação. Aprendi tanto que não consigo enumerar onde, como e porquê. Há certos sentimentos que são tão particulares e internos que você só dá conta de perceber que existem. Além disso, é uma fronteira que talvez não seja possível transpor..
Vi, ouvi, senti, experimentei e conheci sentimentos novos, pessoas novas, paisagens diferentes, comportamentos opostos, cheiros característicos, músicas adoráveis, descobri novas paixões, deixei outras de lado, confirmei sonhos, larguei de alguns, me iludi com motivo, e me desiludi de vários outros..
Vivenciei a intensidade de tantos verbos do dicionário, alguns que eu nem conheço. Percebi quanta vida existe, em cada pedaço de terra, em cada cidade, em cada cabeça, em cada coração.. e como são distintas, especiais, únicas e valiosas. Meu coração sabia de coisas que eu desconhecia. Por exemplo, eu sentia admirar as culturas diferentes, sentia compreendê-las. Mas há coisas que precisam ser vividas antes de pensadas, e por isso a minha certeza e compreensão só se permitiram aprofundar-se quando eu me expus ao que eu sempre imaginei ser tão importante.. E agora sorrio ao dizer que eu estava certa, e que minha vontade de voar e de conhecer o que se define como desconhecido é ainda maior. Na verdade, eu entendi que não é algo literalmente desconhecido.. acho que isso me impediu de ficar assustada.
Deve ter sido porque eu reparei um pouco mais.. se talvez todo mundo parasse pra reparar.. em certas coisas, não importa a língua que você fale ou qual seja sua main food, o ser humano é igual. Acredito que essa semelhança é mais forte do que muitos chegam a supor. Mas a maioria nem percebe.. é mais um fato que passa junto com as folhas do vento.
Os sentimentos.. são os mesmos. Em mandarim, inglês, italiano, francês, português, coreano, espanhol, grego..
Amor é amor, dor é dor, tristeza é tristeza, saudade é saudade, inveja é inveja, raiva é raiva, felicidade é felicidade. São universais. Podem mudar de intensidade, tamanho, forma de expressar, mas no coração e na cabeça, o efeito é o mesmo. Todos querem e buscam o mesmo final feliz.. de infinitas formas, sem dúvida. A melhor parte da diferença é ver quantos caminhos paralelos e alternativos podem existir pra chegar ao mesmo destino.. Eu sorria de felicidade presenciando isso. Vi coreano chorar, peruano sorrir, americano gargalhar, brasileiro gritar, francês envergonhado, australiano maluco, inglesa sorridente.. E isso me faz querer voltar. Enxergar de novo o mundo maior e misturado do lado de fora da janela..
E como os Beatles estavam certos..
There's nothing you can do that can't be done
Nothing you can sing that can't be sung
Nothing you can say but you can learn how to play the game
It's easy

There's nothing you can make that can't be made
No one you can save that can't be saved
Nothing you can do but you can learn how to be you in time
It's easy

All you need is love
All you need is love
All you need is love, love
Love is all you need

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...